blogagem coletiva sobre Ada Lovelace, 24 de março

ada

o Dia de Ada Lovelace é um dia internacional de blogagem coletiva para chamar atenção as mulheres que se destacaram na tecnologia. a maior parte da contribuição feminina passa constantemente desapercebida, suas inovações raramente são mencionadas. a intenção da comemoração é que você conte ao mundo sobre essas heroínas: inovadoras, empresárias, administradoras de sistemas, designers, desenvolvedoras de jogos, especialistas em hardware, jornalistas tech, consultoras tech: a lista de carreiras não acaba.

quero participar!

tudo que você precisa fazer é prometer (vale a pena ver as promessas brasileiras do sistema!), escolher sua heroína e publicar um post a qualquer hora do dia 24 de março de 2009, terça-feira. não importa se o seu blog é novo ou antigo, ou sua língua, ou sobre o que você escreve, todos estão convidados! para reunir tudo sobre a data, é só usar estas tags:

delicious, technorati: AdaLovelaceDay09

tuíter, identi.ca: #ald09

fique por dentro!

há uma conta no tuíter, uma lista, sinta-se livre para seguir, subscrever e adicionar ao seu leitor RSS, como você desejar.

quem foi Ada Lovelace?

Ada Lovelace é considerada a primeira programadora de toda a história. filha legítima do poeta Lord Byron, nasceu em 10 de dezembro de 1815 e viveu uma vida modelo para as senhoras da corte inglesa do começo do século XIX. casada aos 20 anos, assumiu o nome do marido e o título de condessa tornando-se a Condessa de Lovelace, a Sra. Augusta Ada King. e com o nome de Ada Lovelace entrou para a história como a primeira mulher programadora. durante um perído de 9 meses entre os anos de 1842 e 1843, criou um algoritmo para o cálculo da sequência de Bernoulli usando a máquina analítica de Charles Babbage. Ada foi uma das poucas pessoas que realmente entendeu os conceitos envolvidos no projeto de Babbage e durante o processo de tradução de um paper italiano sobre o projeto de Babagge incluíu algumas notas de tradução que constituem o primeiro programa escrito na história da humanidade. em 1980, o Departamento de Defesa dos EUA homenageou Ada ao registrar a linguagem de programação Ada, que é baseada em PASCAL. Ada faleceu aos 36 anos, de câncer no útero, deixando dois filhos e uma filha. em 1953, quase cem anos depois da sua morte, a máquina analítica de Babbage foi redescoberta e seu projeto juntamente com as notas de Ada entraram para história como o primeiro computador e software, respectivamente.

[fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ada_Lovelace]

falando nisso…

meninas, querem ganhar um poster da Ada Lovelace? a revista Inkling está promovendo um concurso que será julgado por Annalee Newitz e Charlie Anders, editores do livro “She´s such a geek! Women Write About Science, Technology, and Other Nerdy Stuff”. para participar é só enviar uma foto provando que são nerds de verdade. :)

outras mulheres:

  • Donna Haraway: escreveu o manifesto que marca as fronteiras e cruzamentos entre corpo e máquina;
  • Sadie Plant: diretora da “Cybernetic Culture Research Unit” Universidade de Warwick/UK e autora do livro “Zeros + Ones : Digital Women + the New Technoculture” em que descreve a internet e outras tecnologias como essencialmente femininas. também escreveu o  “Manifiesto de la Zorra Mutante”;
  • Sarah Flannery: em 1999, ela tinha 16 anos quando recebeu o prêmio “Jovem Cientista do Ano”, na Irlanda, pelo seu trabalho sobre criptografia na Internet. atualmente, estuda na Universidade de Cambridge/EUA.
  • Grace Hooper: analista de sistemas da marinha americana nas décadas de 40 e 50. ela criou a linguagem de programação FLOW-MATIC, que serviu como base para a criação do COBOL.
  • VNS Matrix: grupo que escreveu o manifesto ciberfeminista para o século XXI
  • Jude Milhon: a “santa padroeira” dos hackers. foi uma conceituada programadora de Sistemas de Informação. “as garotas precisam de modems”, disparou ela numa entrevista concedida em fevereiro de 1995 à revista Wired. faleceu em 2003.

sticker_girls_need_modems

fonte: http://wakka.midiatatica.info/wikka.php?wakka=PioneirasTecnologia

I Encontro de Conhecimentos Livres – 2009

cdtl

O Centro de Desenvolvimento em Tecnologias Livres (CDTL), Pontão de Cultura Digital de Pernambuco, começa pelo Recife, cidade onde está sediado, a primeira atividade de formação do projeto, dentre as nove programadas para acontecer até maio deste ano no Nordeste. De 12 a 18 de janeiro acontece na Casa da Cultura o Encontro de Conhecimentos Livres (ECL), evento que combina oficinas voltadas para a produção multimídia com softwares e hardwares de código-aberto com mostra de cultura livre e digital.
Ao longo da semana serão ministrados seis minicursos: Áudio, Vídeo, Metareciclagem, Introdução à Programação com Python, Artesanato Digital e Fotonovela. Essas oficinas, cujo público-alvo são os Pontos de Cultura, buscam unir conceitos libertários de aprendizado, à criação artística e padrões tecnológicos, visando a formação de multiplicadores.
Em Pernambuco, as oficinas de Áudio e Vídeo serão realizadas em parceria com a TV Brasil, visando criação de conteúdo para o programa Ponto Brasil (www.pontobrasil. org.br). Para conduzir os trabalhos audiovisuais de seis temáticas, que serão transformadas em programates de até cinco minutos, foram convidados os Pontos de Cultura Coco de Umbigada, Cinema de Animação, Ação Cultural e Negras Raízes, que começaram a se reunir em dezembro de 2008.
De segunda (12) a sexta-feira (16), das 9h às 12h e das 13h às 17h, a oficina de Metareciclagem acontece na Casa da Cultura. Aqueles que se integrarem no tema aprenderão mais sobre reapropriação de tecnologia com foco na transformação social. Ministradas pelo oficineiro do CDTL, Fábio Moura, as aulas passarão pelo reconhecimento dos componentes de um computador, reaproveitamento de equipamentos descartados e instalação de software livre. Além da formatação de novas máquinas, a oficina ainda propõe o uso das peças de maquinário como matéria-prima para criação de esculturas, bijouterias, moda, objetos de decoração, entre outros.
Ainda na Casa da Cultura, também de 12 a 16 de janeiro, das 9h às 12h e das 13h às 17h, a oficina de Fotonovela, será conduzida pelas integrantes do coletivo recifense Mané a Troá, Adrianna Figueiredo, Maria Simonetti e Ioanna Papou, misturando crítica social, humor e ficção. Além de aprender sobre esta linguagem, os participantes também ficarão sabendo sobre funcionalidades dos softwares livres para diagramação gráfica Inkscape e GIMP. Os lambe-lambes, resultado das aulas, serão colados no dia 17 e ficarão em exibição na Torre Malakoff.
A oficina de Introdução à Programação com Python será realizada no Ponto de Cultura De Antena Ligada (CAIS do Parto), em Olinda, entre 12 e 16 de janeiro, das 9h às 12h e das 13h às 16h. Propondo um desafio para a área cultural, o conteúdo envolve desde conceitos básicos de algoritmos e estruturas de dados (listas, pilas, filas bem como árvores de busca binária), até noções da linguagem de programação Python (tipos de dados, estruturas condicionais, classes, métodos e exceções). De acordo com o programador e oficineiro Thiago Moreira, o principal objetivo destas oficinas é “oferecer possibilidades para que o usuário possa tirar o máximo proveito dos recursos midiáticos e equipamentos, usando programação de uma maneira simples e direta”.
Integra ainda a programação do Encontro de Conhecimentos Livres de Pernambuco a oficina de Artensanato Digital, que será apresentada no dia 17 de janeiro, das 14h às 17h, na Casa da Cultura, por Ricardo Brazileiro, militante e estudioso da área de Educação e Tecnologia com ênfase em Tecnologias Livres e Metodologias de Aprendizagens Colaborativas. A idéia é utilizar as plataformas Processing (http://processing. org), Pure Data (http://puredata. info), GIMP (http://gimp. org), Inkscape (http://inkscape. org) e Arduino (http://arduino. cc) para prototipar soluções de arte interativa e computação gráfica, criando samples de som e imagens, animações, performances, jogos, ambientes interativos, instalações, enquanto se aprofundam nos fundamentos da programação.
Além da parte de formação, também haverá o momento voltado para a sustentabilidade dos grupos culturais, foco da diretriz de Geração de Renda do CDTL. Na segunda-feira (12), das 15h às 18h, na quarta-feira (14), das  9h às 12h, e na quinta-feira (15), das 15h às 18h, na Casa da Cultura, serão mapeados os produtos e serviços oferecidos pelos coletivos, instituições ou indivíduos participantes do ECL. Segundo Pedro Jatobá, coordenador de Geração de Renda do Pontão de Cultura Digital de Pernambuco, a idéia é “mapear o que os pontos produzem, quais conhecimentos e equipamentos podem oferecer”, com o objetivo de criar uma rede de divulgação e consumo daquilo que é produzido na área cultural.
O encerramento do Encontro de Conhecimentos Livres será realizado na Torre Malakoff, no domingo 18 de janeiro, das 15h às 20h, com a mostra L.I.BR.E.S., onde serão exibidos os produtos de cada oficina, bem como outros produtos audiovisuais, metareciclados e criados em, com ou a partir de tecnologias livres.
As inscrições para as oficinas, que têm 10 vagas cada, podem ser feitas clicando aqui, acessando http://www.tecnologiaslivr es.org ou solicitando a ficha de inscrição pelo e-mail contato@tecnologias livres.org. Lembrando que 5 vagas são reservadas para os Pontos de Cultura. As oficinas são gratuitas. Dúvidas e outras informações: (81) 3423-4580.
O Encontro de Conhecimentos Livres de Pernambuco é uma realização do Centro de Desenvolvimento em Tecnologias Livres, através de parceria com o Ministério da Cultura, Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), TV Brasil, Casa Brasil, Estúdio Livre, Recife Plaza Hotel e Coletivo Mané a Troá.

pydev: python rodando no eclipse 3.4 – Ubuntu 8.04

nesta última terça-feira comecei a estudar programação de verdade: seu colega me passou uma apostila introdutória sobre lógica de programação e um linque com exercícios de python.

pra início de conversa, instalei o eclipse, uma IDE (‘ambiente de desenvolvimento integrado’, no bom e velho português)  pra desenvolvimento em plataforma Java. Visitei o site e vi que lá tem uma versão mais atual do que a disponível no apt-get. baixei, desempacotei, procurei um makefile e me desesperei porque não achei perguntei: ‘e agora, José?’

Cel explicou o que acontece com o eclipse: ele não é instalado. na verdade, ele se integra a uma máquina virtual, responsável por carregar e executar todos os aplicativos Java, e não a um sistema operacional, como acontece com outros programas. essa máquina virtual (JVM) interpreta os chamados bytecodes, uma forma intermediária de código que pode ser executada em qualquer plataforma.

meio confuso, né? bom, como diz o ditado popular, uma imagem vale mais do que mil palavras:

tá, mas como eu faço pra não-instalar e usar o eclipse na minha máquina?

depois de baixar, desempacotei:

tar xvzf eclipse-SDK-3.4.1-linux-gtk.tar.gz

e precisei redirecionar o executável do eclipse pro menu. foi simples! abri o terminal e digitei “alacarte” para abrir o Menu Principal, escolhi a aba “programação” para o programa (mas pode ser em qualquer outra), cliquei em “Novo item”, nomeei “eclipse”, selecionei o executável que estava dentro da pasta do eclipse e coloquei o caminho em “Comando”. é possível adicionar o ícone também! baixei o .svg, salvei e redirecionei. dei “Ok” e voilá!

agora vamos conigurá-lo pro python usando o plugin Pydev!

abri o eclipse, fuiem Help > Software updates. na aba “Avaliable software”, cliquei em “Add Site” e digitei o endereço do Pydev (http://pydev.sourceforge.net/updates/), cliquei em “Ok” e esperei o linque ser carregado. ATENÇÃO: na parte inferior, deixe o primeiro checkbox (“Show only the latest versions of available software“) marcado, enquanto o segundo (“Include items that have already been installed”), deve estar desmarcado. depois marquei os checkboxs “Pydev” e “Pydev Optional Extensions”, dentro de “http://pydev.sourceforge.net/updates/”.cliquei em “Install”, em seguida, em “Next”, aceitei a licença e finalizei o processo.

após o fim da instalação, o plugin Pydev deve ser ativado. para isso, fui em Window > Open Perspective > Other e lá selecionei “Pydev”. para abrir um arquivo .py, cliquei  em File > New > Project e selecionei o Pydev e “Next”. escolhi um nome e o tipo do projeto, que depende do python instalado na máquina.